23.10.17

A reboque do tempo...

Fotografia | Isabel Saldanha Fotografia
Lx Factory - 2017

Ando sempre a reboque. Sinto que ando sempre a reboque. A reboque do tempo, do trabalho a mil, do tempo, dos meus filhos, das actividades dos meus filhos, da vida social dos meus filhos, do tempo, do tempo de quem o divide comigo, da urgência de tempo para mim, da urgência de tempo para nós, do tempo que passa rápido demais, da vontade de viajar sem perder tempo, a reboque do tempo.
O tempo não dá tréguas ao tempo. 
É invasivo. Intrometido. Entra sem pedir licença. Senta-se sem ser convidado. Instala-se sem que tenhamos tempo de lhe dar permissão. 
Esse intrometido também nos dá tempo para crescer, para ver crescer, para amadurecer, para envelhecer. 
Ter tempo para dar ao tempo é também um privilégio que nunca devemos descurar.
Sempre fui ciosa do meu tempo. Gosto de ter tempo. Tempo de qualidade com os meus. Tempo para dar tempo ao tempo. Para curar. Para crescer. Para amadurecer. Para viver.
Preciso sempre de tempo. Tempo para me encontrar no tempo.

Um beijo
M.






Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © As Memórias da M